Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My Sweet World

My Sweet World

04
Set15

Vou para a faculdade e agora?! - Regresso às Aulas'15 #1

Tânia Cunha

back-to-school.jpg

O tempo da universidade está a chegar e as perguntas começam a surgir na tua cabeça. Não há altura mais assustadora e stressante do que a entrada para a universidade, e se vais ter de mudar de casa ainda mais stressante deve ser, pelo que eu compreendo perfeitamente a aflição. Por isso aqui está o primeiro post do Regresso às Aulas, e não poderia deixar de ser dedicado à faculdade.

Como vou para o meu 2º ano da licenciatura em Design no IADE tenho algumas dicas que te podem ser úteis caso vás para a faculdade, caso vás estudar Design e claro, caso vás estudar para o IADE.

Tudo o que vou falar neste post tem como base a minha experiência pessoal, pois como é obvio é a que conheço melhor. 

11884695_877467538998084_5790592455605655529_o.jpg

Estás nervosa, com borboletas na barriga e tens dúvidas sobre se é mesmo o curso certo para ti, se queres ir à praxe ou não se, se e se... É uma altura de muitas mudanças e se tens que mudar de casa ainda mais mudanças são, mas prepara-te uma das melhores fases da tua vida está prestes a começar. Aperta o cinto e prepara-te para a aventura!

Eu não tive de mudar de casa, pois a minha faculdade é em Lisboa e basicamente a rotina é a mesma que no secundário, de manhã aulas, e depois casa, a única diferença é o transporte e claro, no secundário não havia tantas festas.

A tua primeira semana na faculdade vai começar com a praxe e de certeza que estás com algumas dúvidas. Eu nunca tive dúvidas, sempre quiz experimentar a praxe, mas estava nervosa, confesso. É verdade, há praxes más, há praxes que ultrapassam os limites, mas a televisão também só mostra o mau, mas também há muitas praxes boas e a minha foi uma delas.

Durante a minha praxe nunca senti desrespeito por parte dos meus veteranos, pelo contrário, sempre senti muita preocupação e muito respeito. Claro que também houve aquilo tudo do "caloiro não ri", "olhos no chão, caloiro", e todas essas coisas, mas faz parte. Nessa semana, participei em todos os jogos, conheci tanta gente e diverti-me tanto. Posso afirmar, com toda a certeza que foi a melhor semana da minha vida! Mas, também conheci pessoas que não quiseram ser praxada e não foi por isso que deixaram de se integrar e conhecer pessoas. Aqui a opção é somente tua, mas o melhor concelho que te posso dar é ires de mente aberta, e experimentares. Vais ver que te vais divertir, e se não gostares ou não quiseres fazer alguma coisa diz não, que é na boa.

10631071_716395008438672_2880193677517489871_o.jpg

O IADE é uma faculdade diferente e a primeira impressão que tive foi de estranheza, nunca tinha imaginado uma faculdade com um edifício assim, mas a verdade que é bastante acolhedor, pois é um edifício pequeno e não somos muitos por isso toda a gente se conhece. O nosso traje também é diferente, não é o traje nacional, mas sim o kilt, e por sermos únicos defendem-nos com unhas e dentes, temos muito orgulho na nossa instituição e no nosso traje.

Como devem já ter ouvido falar, na universidade vão ter muitas festas. Quando digo muitas, são mesmo muitas, no IADE havia uma festas todas as quintas feiras à noite, mas como é obvio não fui nem a metade delas e não me arrependo. Fui a jantares de caloiro, ao jantar do Enterro, fui à Gala de Natal e pouco mais pois as outras festas calhavam em alturas de muito trabalho e temos que escolher prioridades. Sabe bem ir e é bom para conhecer melhor os nossos colegas e criar histórias divertidas, mas não precisas de ir a todas, pois lembra-te que não foste para a faculdade para ir a festas, mas sim para te licenciares e por isso escolhe as tuas prioridades. Como é obvio não vais começar a ser um crominho, anti-social se faltares a algumas.

Mudando de assunto, a faculdade não é só praxe e festa, é também estudo e aulas. O meu curso é muito prático, e por isso não necessitava tantas horas de estudo como exige um curso de engenheira, mas temos muitos trabalhos práticos e por isso a nossa gestão de tempo tem que ser perfeita, temos de fazer bons projetos em poucas semanas. A nossa avaliação é continua e lutamos pela nota ao longo do semestre, e no fim só vai a exame quem não consegui passar ou quem quer fazer melhoria de nota.

Por muito diferentes que sejam as faculdades e os cursos uma coisa é verdade, o mais importante e uma boa gestão de tempo e assim nada é impossível.

Agora que já falei um pouco de tudo, e não querendo revelar mais, pois ir à descoberta também é muito bom, só te aviso: Prepara-te para os melhores anos da tua vida!!!

 

 

02
Ago15

Vou para a faculdade e agora?! - Regresso às Aulas #1

Tânia Cunha

back-to-school.jpg

Oiiii!!!!

Aqui está o primeiro post da rubrica Regresso às Aulas, e como não poderia deixar de ser, dedicada às pessoas que este ano vão entrar para a faculdade e estão super nervosas (eu sei como é), que não sabem o que devem pensar sobre a praxe, se querem ser praxados ou não, se querem trajar, e um turbilhão de coisas novas que vão surgir nas vossas vidas a partir de agora. Venho-vos falar da minha experiência, pois é a que sei mais pormenores e espero que ajude.

Não posso falar sobre mudanças de casa e de tudo o que isso implica, pois a verdade é que estou a estudar em Lisboa, do outro lado do rio e por isso é como dantes, vou à faculdade, tenho aulas e volto para casa, a única diferença é o transporte.

Captura de ecrã 2015-08-30, às 22.13.08.png

 Estou a caminho do 2º ano da licenciatura de Design no IADE. O meu ano de caloira terminou (passou muito rápido) e, portanto, acho que tenho algumas dicas e informações que vos podem ser úteis se vão para a faculdade, se querem estudar design e claro se querem ir para o IADE.

Como não é segredo para ninguém uma das minhas paixões é a moda, e por isso toda a gente achava que eu ia seguir design de moda, aliás ainda agora ando a informar as pessoas que não estou a estudar para ser estilista. Na altura de escolher tive algum receio de seguir moda, pois é uma área um pouco complicada em Portugal de se trabalhar e conseguir ganhar dinheiro, pois vamos ser sinceros, só o sonho não basta, temos que pagar as contar e comer, então achei melhor ir para um curso mais geral, onde pudesse trabalhar em várias coisas e não apenas em moda, e aí apareceu o IADE com o curso de Design. É Design, sem especialidade, pois aprendemos um pouco de todas as áreas, claro que depois devemos tirar um mestrado na área que mais gostámos, mas assim conseguimos chegar a todas as áreas do design e que poderia estar aqui até amanhã a falar sobre as áreas todas onde são necessários designers.

A primeira impressão que tive da faculdade foi quando fui fazer a matricula, ainda não tinha acabado o 12º ano e fui com uma colega de turma que também foi para lá. O IADE é um edifício em Santos (estão a ver o McDonald's de Santos? Sim, é aquele edifício às cruzinhas). Foi um pouco estranho no início, pois nunca foi assim que imaginei uma faculdade, sempre imaginei como nos filmes, grande, salas gigantes, com relva, e isso tudo, mas no IADE se queres ir à rua apanhar ar tens mesmo de ir à rua, mas habituei-me e estou a adorar a faculdade. 

Nunca me inscrevi em open days para conhecer faculdades, pois decidi-me logo por uma, aliás nem concorri a mais nenhuma, mas aconselho, caso estejam indecisos, em inscreverem-se no Open Day das faculdades que mais vos interessam.

Captura de ecrã 2015-08-30, às 22.10.21.png

 Os primeiros dias incluíram apresentações, palestras e, claro, praxe! Ao contrário de muita gente nunca tive nenhum receio em relação às praxes, acho que a televisão só mostra o mau, e sim há praxes abusivas, há praxes más, mas sempre quiz experimentar, sempre quiz saber como era o famoso espirito académico e por isso quando me perguntavam se queria ser praxada nunca disse que não, mas sempre ciente que caso não gostasse que dizia adeus e ia à minha vida. E lá fui eu para a praxe, nervosa, claro, mas mais do que isso ansiosa. Sabem o que aconteceu, adorei cada minuto da praxe, cada jogo, cada atividade que os veteranos e a Comissão de Praxe preparou para os caloiros. Nunca senti abuso por parte dos veteranos, nunca me senti gozada, aliás pelo contrário, sempre senti um enorme respeito, muita preocupação. Houve jogos, brincadeira, músicas, também houve aquilo de não poder tratar o veterano por tu, e de não olhar nos olhos, e de o caloiro não ri, mas faz tudo parte de uma das melhores semanas da nossa vida académica. O melhor concelho que posso dar em relação à praxe é para não irem com uma ideia pré-formada, experimentarem e claro, se não gostarem podem dizer que não. Não podemos falar sem conhecer! Mas, claro que conheço muita gente que não foi à praxe e não foi por isso que deixou de se sentir integrado e de fazer amigos e conviver. 

O IADE é uma faculdade diferente e não é só no edifício, mas também no traje, no IADE não usamos o traje nacional, mas sim trajamos um kilt e no início foi estranho ver tantos rapazes de "saia", desculpem, de kilt (e sim, não usam boxers, não é um mito). Em relação ao traje, ainda têm tempo para pensar, pois é só no final do ano que é o enterro, mas para mim sempre foi um sonho trajar. Aqui cabe a decisão a cada um, eu pessoalmente adoro a tradição e apesar de no IADE termos um traje diferente não é menos simbólico, aliás pelo contrário, somos uma faculdade pequena e por isso muito mais unidos, protegemo-nos e defendemo-nos e ao nosso traje. Como costumamos dizer, somos uma família, a família IADE.

91744a90b6c60b89787d684552793557.jpg

Em relação ao segundo ano, confesso que tenho boas expetativas. Estou curiosa com algumas cadeiras, especialmente com Design de Comunicação. 

Sei que muitas pessoas têm medo de não se integrar e não fazer amigos, mas a meu ver não há melhor sítio do que a universidade para tal, pois há mais pessoas como vocês. Afinal, no mesmo espaço encontramos imensas pessoas diferentes, vindas dos mais diversos sítios do país, com idades e gostos diferentes, mas ainda assim é claro que têm interesses em comum, se não, não estariam a estudar o mesmo, ao contrário do que acontece na escola, onde ainda ninguém escolheu áreas e isto nota-se ainda mais na minha área que tem haver com artes. A maioria das pessoas segue ciências no secundário e olham sempre de lado para as turmas de artes, então na faculdade sentimos que afinal há mais gente a partilhar os mesmos gostos que nós.

É importante dizer que não é por terem que estudar bastante que devem deixar de ter vida social. Um dos desafios que enfrentei este ano foi conciliar os estudos, com as festas da faculdade e ainda assim conseguir estar com os amigos de sempre e claro a família.

14
Mai15

A noite do Enterro! - vida de uma estudante universitária

Tânia Cunha

E já passou o dia do Enterro, a noite em que trajei e tracei a capa. Quem costuma ler este cantinho sabe que não é segredo nenhum que um dos meus maiores sonhos a nível académico era trajar. Então trajei e adorei. Foi uma noite maravilhosa, o traçar da capa, a família IADE  toda unida, o estarmos lá todos para o mesmo. 

Foi uma noite muito especial e amanhã lá vou eu toda trajada outra vez, pois lá no IADE sexta feira é dia de traje.

 

IADE é sinónimo de família e respeito. Somos uma faculdade pequena e talvez por isso é que toda a gente se conhece e quando é dia de festa toda a gente fala com toda a gente, toda a gente dança com toda a gente.

 

 

11268920_855364194518702_1673768424_n.jpg

11225903_855364244518697_481968076_n.jpg 

11258556_855364227852032_1528656641_n.jpg

 

09
Jan15

Talvez um dia...

Tânia Cunha

Uma das questões com que mais me deparo hoje em dia é com a questão da emigração. Acho que Portugal sempre teve muita gente lá fora, mas essa gente eram pessoas em busca de uma vida melhor, eram pessoas já com família, já com uma vida cá. Aliás, a minha família já foi emigrante, os meus avós foram para Alemanha, viveram lá mais de metade da sua vida, tiveram um filho, sonharam e trabalharam para uma vida melhor do que a vida em Portugal, mas voltaram para o seu país para viverem a sua reforma. Acho que esse é o objetivo de qualquer emigrante Português - voltar.

Mas a questão da emigração com que me deparo atualmente é com a emigração de pessoas novas, pessoas que não vão em busca de uma vida melhor, mas sim em buscar de começar a viver. São jovens que acabam a licenciatura e que se deparam com um país que não dá oportunidade a gente nova, com sangue na guelra, com vontade de criar coisas novas. Essa oportunidade não é dada talvez por falta de experiência, não sei.

Desde que entrei na faculdade que já me perguntaram varias vezes o que vou fazer depois. Se vou fazer mestrado ou não, se quero estudar lá fora ou não, se's e se's para os quais ainda não tenho respostas, ou que ainda tenho duvidas. Também me dizem muitas vezes, já desde quando andava no secundário, que esta é uma área muito difícil de arranjar um emprego estável em Portugal, que só lá fora é que os artistas vingam, que cá ninguém dá valor à cultura - por acaso concordo com isso, por exemplo o artista plástico português, o Vhils só atualmente é que está a ser reconhecido pelo seu talento em Portugal, mas antes disso já o conheciam lá fora, mas cá é difícil darem oportunidade à arte. 

Não sei o que o futuro me espera, não sei se vou fazer carreira no estrangeiro, mas sei que não quero ser só mais uma designer, não quero ser só mais uma estilista que ninguém ouviu falar, só sei que quando for velhinha quero que os meus filhos e os meus netos tenham muito orgulho em dizer que são filhos da Tânia Cunha. Não sei se para isso tenho que ir lá para fora, não sei se em Portugal vou ser reconhecida, nem sequer sei se um dia vou ser alguém.

Só sei uma coisa, hoje sou uma jovem de 18 anos, estudante de design e com muitos sonhos e força de vontade para os realizar. Sou uma jovem sem medo de desafios, que venham eles! Tenho muitas ideias e vontade para as realizar! Sou a Tânia Cunha, aquela menina que já teve medo de subir a montanha russa por ter medo da queda, pois agora sei que cair faz parte, mas sei que a seguir vou sempre levantar-me.

Ainda acho que posso mudar o mundo! Pelo menos o meu mundo.

Viva-para-realizar-seus-sonhos.jpg

 

03
Out14

Praxes (IADE)

Tânia Cunha

Hoje foi o dia do Batismo, foi o último dia de praxes desta semana incrível e já posso dizer que foi uma das semanas mais fixes e importantes da minha curta vida.

Nunca fui contra as praxes, mesmo com a ideia que a comunicação social faz passar desta tradição académica, quis experimentar e caso não gostasse não tinha qualquer problema em recusar ser praxada.

Sabem o que aconteceu? Fui a todos os dias, do nascer do sol ao por do sol, diverti-me mesmo, senti-me super respeitada pelos veteranos e conheci pessoas maravilhosas. Sim, tenho nódoas negras, doí-me o corpo todo, gritaram connosco muitas vezes, mas com esta semana comecei a sentir AMOR, PAIXÃO, RESPEITO e ORGULHO pelos VETERANOS, pela INSTITUIÇÃO, pelo TRAJE que é o KILT e por fazer parte desta grande família IADE.

Obrigada Comissão de Praxe IADE, veteranos e colegas caloiros por esta semana maravilhosa.

 

 

 

03
Out14

Semana de Praxes | Outfit #2

Tânia Cunha

Bem esta semana não tive muitas dificuldades a escolher os(o) looks. Foi apenas um. A T-shirt de caloira IADE, umas calças de ganga, uns ténis velhinhos e confortáveis, e até tinha um chapéu, o meu panico. A make-up, essa esteve a cargo dos veteranos com tintas e outras coisas. O mais fixe deste look foi não precisar de pensar "Bem, o que vou vestir hoje?"

 

 

 

 

 Então? O que acham do look da semana? Bue fashion, né? ;)

29
Set14

1º dia de Praxes!

Tânia Cunha

Hoje foi o primeiro dia de praxes da minha faculdade e o que posso dizer... Adorei! Gostei bastante.

Sim, eles gritam connosco, sim somos tratados como bichos, como burros, como inferiores, mas depois há o outro lado. Por exemplo à hora do almoço, onde não conhecemos ninguém e vamos almoçar com os veteranos e eles são super simpáticos, aquele lado em que conhecemos outras pessoas que estão na mesma situação que nós, os jogos, o conhecer pessoas que vêm no norte e do sul e que estão a viver sozinhos. Hoje foi muito giro, e é uma experiência, que se os veteranos não abusarem, é muito gira e que no meu caso está a integrar. 

Mas claro, se não quiserem ser praxados, caso não gostarem da experiência não são obrigados a repetir e claro que se integram na mesma, pois vai haver muita gente a ser praxada, mas também há muita gente a não ser. Eu gostei, pois não abusaram e até foram simpáticos...

E de certeza que é uma experiência que nunca me irei esquecer para o resto da minha vida.

Amanhã estou lá outra vez!

 

DVRA PRAXIS SED PRAXIS!

(A Praxe é dura, mas é Praxe)

 

Aqui estão algumas fotos do dia de hoje:

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Emma

    Olá!Estou a pensar ir às consultas na Well's. Já v...

  • Tânia Cunha

    Aconselho! Foi uma experiencia muito giro e que go...

  • Jess

    Feito! E talvez volte a fazer! :)

  • Jess

    Algo que ainda não fiz mas gostava muito de fazer!...

  • Jess

    Adoro a mochila amarela!

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D